Gatos e Bruxas



Os animais são sempre relacionados a bruxaria, especialmente o "gato preto". Os gatos e outros seres assim chamados de "familiares" serviam na verdade, como prova nos julgamentos de bruxas do século XVII.

Os bichos desempenhavam portanto, diversos papéis nos mitos pagãos e práticas religiosas da antiga Europa e algumas superstições ligadas às capacidades mágicas desses animais sobreviveram após a cristianização.
A doutrina da Igreja sempre encorajou as pessoas a discernir a sombra de Satã em quaisquer vínculos com um animal.

Há quatro mil anos, os gatos adorados e sagrados já no antigo Egito tem sido objeto de culto religioso e isso por exemplo podia ser visto em festivais que celebravam a Deusa de cabeça de gata, "Bast" os quais incluíam música, dança e rituais sexuais e se alguém cometesse o erro de matar um gato, esta pessoa poderia até mesmo ser executada.

Dizia-se também que a Deusa romana "Diana" assumia uma forma felina e no norte da Europa, os gatos eram os animais que puxavam a biga de "Freya", a Deusa do amor e da beleza.

O que colocou fim à essa adoração dos gatos ? O cristianismo que invadiu a Europa e tinha a determinação de repudiar todos os aspectos de paganismo e tais animais adorados nada mais eram do que pequenos formas de "demônios".

Curiosos certamente, estes casos que selecionei ... Veja :
Em 1566, na Inglaterra, um gato de manchas negras chamado "Sathan" tornou-se um personagem de muita importância no julgamento de Elizabeth Francis. Os promotores diziam que Sathan havia cumprido muitas tarefas mágicas para Francis. O gato enchera os pastos de sua dona de ovelhas e atraíra seus pretendentes e ele também foi responsabilizado pela morte de um de seus enamorados, o qual havia aborrecido sua dona. E para completar de forma decisiva, diziam as testemunhas que para recompensar o gato, Francis dava a ele uma gota de seu sangue.

Um outro caso, foi um julgamento em 1618 no qual se falou da participação de um gato na magia que enviaria Margaret e Philippa Flower para o cadafalsto. Margaret confessou ter esfregado as luvas de suas pretensas vítimas na barriga de seu gato. O destino do gato de Margaret não foi registrado em lugar algum, mas muitos parentes de bruxas condenadas, foram queimados vivos.

Nessa grande galeria de casos das bruxas inglesas em meados de 1500, panfletos eram distribuídos pelas ruas mostrando que haveria um julgamento para a condenação de alguma suposta bruxa que eram inclusive, retratadas em xilogravuras.

ogando migalhas de pão em um círculo mágico, onde os demônios dançam com os gatos, Anne Bodenham de Wiltshire prevê o futuro, ato que provocou sua condenação por feitiçaria. Ela por sua vez, negava a ligação com o demônio, mas envolvera-se com o ocultismo: levava em seu pescoço um sapo com outro sapo dentro dele mesmo e receitava ervas medicinais e venenos.

Elizabeth Sawyer de Edmonton, enforcada em 1621, foi uma das raras bruxas inglesas a confessar relações com o diabo. Declarou que este lhe aparecera quando ela estava costurando e blasfemando. Mais tarde, o diabo teria se manifestado como um gato que ela amamentara em um teta sobrenatural. Para recompensá-la, o animal prejudicaria pessoas e animais a sua escolha.

Um livrinho de contos populares de 1566, descreve o julgamento e a confissão de Agnes Waterhouse. Esses panfletos incentivavam a histeria em torno das bruxas e dos gatos malignos através dos continentes. Na verdade, um dos primeiros exemplos da imprensa maldosa.

Fonte: Boletim Imagick



3 comentários:

Anônimo disse...

eu como cempre amo muitao gatos por dizer tbm ke sao muitos aliados a mim fikou muito show essas escritas ai

Anônimo disse...

adoroooo minhas gatinhas sou completamente ligadas a ela sao minha melhores amigas!!

Anônimo disse...

nao conseguiria viver sem minhas gatinhas lindas que me dao muito carinho e amor.